quarta-feira, março 19, 2008

tomada de posse nos 'voluntários'

O novo Presidente dos Bombeiros Voluntários de Viseu, dr. Paulo Correia (esqª), cumprimentado pelo Vice-presidente da Câmara Municipal, dr. Américo Nunes



A nova Direcção, a nova equipa de trabalho, após o acto solene de posse, no Quartel-Sede da Associação Humanitária dos BVV


Paulo Correia (esqª) ao lado do Presidente cessante, o Dr. Ribeiro Gonçalves, figura que esteve à frente dos 'Voluntários' durante três mandatos consecutivos. À direita, o sr. Coelho, elemento da nova Direcção, responsável pela empresa 'Vidis', sita no Parque Industrial de Coimbrões.


Ordenando os trabalhos, o novo Presidente da Assembleia Geral, Engº Belarmino Alves, também responsável dos Fruticultores da Beira Alta, com o dr. Américo Nunes à sua direita.




um discurso pleno de significado
...e alguns avisos à navegação!



Respigámos um bocadinho do início do discurso do novo Presidente da Direcção dos Bombeiros Voluntários de Viseu, na cerimónia de posse, parecendo-nos claro que Paulo Correia entendeu que deveria calar mais e falar menos, atitude inteligente e prudente, que só lhe ficou bem e arrancou à assistência fortes aplausos.

"Por mais ambiciosos que fossem os meus sonhos de criança – e muitos houve, sem dúvida! – nunca me passou pela cabeça a imagem de me ver aqui, nesta cerimónia tão plena de significado, tomando posse, perante todos Vós, como Presidente da Direcção da Associação dos Bombeiros Voluntários de Viseu, digna Instituição que leva 122 anos de existência.

E isto só foi possível, não tanto por mérito próprio – pois sou humilde o suficiente para reconhecer que a tanto não chego! – mas sim pelo voto de confiança que em mim quiseram depositar Bombeiros e Associados desta Casa.

A uns e a outros deixo aqui, desde já, o meu sincero e caloroso bem-haja, na certeza de que tudo farei para não desmerecer nem desiludir os que em mim confiaram.

Ontem mesmo, no recolhimento da minha tebaida, e na tentativa de chamar a mim o sono que não vinha, reli por várias vezes a famosa pergunta de Rui Barbosa:

- “Senhor, porque nos deste uma língua tão pobre na gratidão?”

Ora, minhas senhoras e meus senhores:

Eu, para não permanecer nessa ingratidão, dirijo primeiramente a Deus as minhas preces em reconhecimento de tudo aquilo que na minha vida tenho tido de bom e de mau, de alegrias e de tristezas, na certeza de que tudo, mas tudo mesmo, teve o desígnio divino de moldar, de formatar, de fortalecer a personalidade e o carácter da pessoa que aqui hoje tendes à Vossa frente e escolhestes para levar a cabo tão nobre tarefa.

Tomo hoje posse do meu cargo com a humildade dos que se sabem rodeados de gigantes! Sim!... Porque esta Casa, Senhoras e Senhores, ao longo dos seus 122 anos de vida, tem assentado na sabedoria, na coragem e na abnegação de homens que são gigantes.

E são gigantes, mais ainda, porque a sua acção, a sua determinação, infelizmente, não raras vezes, tem sido apoucada, perturbada, achincalhada até, pela inveja incontida e desenfreada de anões em bicos de pés, tal como lhes chamaria o escritor Alan Bloom, numa das suas obras mais emblemáticas.

A esses tais, que lhes troveje fortemente na consciência, sempre que a negritude das suas almas os incline à maledicência sobre esta tão nobre Instituição e sobre a bondade dos homens que para ela trabalham denodadamente.

Meus Caros Amigos:

Bombeiros Voluntários desta nobre Casa:

Desenganem-se os que, ingenuamente desacautelados, ou de coração obnubilado por espíritos enganadores, crêem que eu possa vir aqui em busca de riquezas e honrarias!...

Desenganem-se e nem pensem em ir por aí!...

E nem preciso será, para esta minha “profissão de fé”, invocar, nem o meu passado, nem o meu ‘currícula’, nem a voz de testemunhas mais ou menos abonatórias – que, porventura, pelo favor da amizade e consideração, mais alto falariam das minhas intenções e capacidades de trabalho.

Venho aqui… Venho aqui para servir!Esta Casa precisa de quem sirva ao invés de se servir!Esta Casa precisa de quem dê de si ao invés de receber!

Minhas Senhoras e meus Senhores:

Meus Caros Amigos:

Ao longo da minha vida, confesso nunca fui um conformado!E por não ser um conformado é que aqui estou hoje à frente de todos Vós, entusiasmado ansioso por deitar mãos à obra em meio desta obra tão grande, tão grandiosa, tão importante,tão imprescindível como é de facto a obra dos Bombeiros Voluntários.

Bombeiros e Associados conferiram-me um mandato para três anos. Confiaram em mim e deram-me o seu voto para presidir aos destinos desta Associação Humanitária nos próximos tempos. Pois bem! É com este mandato que eu estou comprometido doravante!.. Bombeiros e Associados esperam de mim que eu seja o seu Presidente e eu prometo que serei esse Presidente a tempo inteiro!...


nasceu o Tomás

Algum nervosismo dos últimos dias em Paulo Correia, que muitos mal-entenderam como consequência da 'peleja' eleitoral, ficou muito mais a dever-se ao facto de ter a esposa à espera do nascimento de um bébé, o que aconteceu logo no dia a seguir à cerimónia de posse.

E pronto! é um rapaz, chama-se Tomás, o Pai ganhou as eleições e está tudo dito!...

Parabéns!...

6 comentários:

Equalchance; Escola de Socorrismo disse...

Boa noite Herc.

Agradeço o seu simpático comentário. Realmente pouco ou nada percebo de comunicação, apenas da minha arte e do que tento aprender com pessoas como Você. Acho o seu Blogue muito bom. Já o adicionei aos meus favoritos. Aproveito para deixar este comentário, pois li com muita atenção o discurso de tomada de posse do novo Cmdt. dos B.V. e apesar de não o conhecer, as palavras dele pareceram sinceras e honestas. São estes homens, anónimos na história, que acabam por tornar o mundo um lugar melhor para todos nós vivermos.
Novamente, obrigado pelas suas palavras.

heresias consentidas disse...

olá
bem-haja p'la tua visita ao meu blog e p'las tuas palavras!

vamos mantendo o contacto! oki?

abrç
herc

Anónimo disse...

Bom, o que não percebo é pq insistem em colocar o dê érre atrás do nome do Américo Murros...é um professorzito..ainda chegaria a professor se tivesse bom espírito...mas nem isso...

Xplus disse...

Sr anonimo:
nao gosto de ser má lingua, mas... faz-lhe assim tanta confusão o Dr.??
Ou haverá por aí algm sentimento de "dor de cotovelo"?
Mas nao se apoquente, nós tb o podemos tratar por Dr. Anónimo!!!

Anónimo disse...

claro que há dor de cotovelo e uase enfarte. se vem para servir, mesmo sendo empregado da cambra não precisa de doutor nenhum. e já agora, somos um país de livres, mas os jantares e almoços da quinta feira continuam no sitio do costume. e que mal fica o senhor comandante sentado numa mesa onde se diz o piorio dos bombeiros e dos corpos gerentes de tão Nobre Instituição. conta quem, por sorte ou azar, estava nas mesas do lado que foi um farta de roer na corda do sino por parte do senhor dei pataca opus.

Anónimo disse...

...na passada semana, depois de uma dessas jantaradas, foram vistos a entrar, lá pelas 04 h da matina, já bem regados, na discoteca NB, o grupo habitual e o sr. comandante... é claro que vivemos num país livre e toda a gente é livre de ir ao NB, pois eu próprio estava lá! mas não deixa de ser muito preocupante, no mínimo, para além de não ficar bem nem a uns nem a outros